Destaque

20 de setembro de 2017

O mal nunca vencerá o bem - Por Gervásio Lima

Infelizmente o povo brasileiro prefere apostar na resiliência do que fazer o papel do cidadão

Iminência de um confronto nuclear, guerra no Rio de Janeiro, enxurradas de denúncias de corrupção na política e no esporte, terremotos no México e no Brasil (isso mesmo, no Brasil), furacões no Continente Americano, Bahia e Vitória na zona crítica da tabela do Campeonato Brasileiro de Futebol... Ops! Que tanta notícia desagradável, sendo esta última considerada a mais grave. Misericórdia.

“Eu quero ver o mar pegar fogo para eu comer peixe frito com azeite de ouricuri, pois peixe assado tem o trabalho de espetar”. Quem nunca ouviu algo similar em algum momento?

Infelizmente o povo brasileiro prefere apostar na resiliência do que fazer o papel do cidadão que contribui dentro das suas possibilidades e limitações para a construção de transformações que resultarão inevitavelmente na qualidade de, e da, vida da sociedade, a partir de um mundo mais justo e igualitário. A participação popular nas discussões de interesses coletivos tem sido sucumbida por conta dos descréditos com as instituições, a falência do Estado.

A desconstrução de tudo o que a didática apresentou, ou tentou apresentar, ao longo dos anos nas escolas, mas precisamente no jovem período pós Ditadura Militar, tem baratinado a cabeça do mais dedicado e estudioso aluno ao menos comprometido com a história do Brasil. O golpe institucional orquestrado por uma trupe composta com o que existe, comprovadamente, de mais sujo na política brasileira, tem trazido consequências desastrosas ao Estado de direito. Recessão, desemprego, injustiça social e a  violência desenfreada são algumas situações vividas pela população; entre outras tantas geradas em consequências dessas.

Forte é o povo. Somente a mobilização popular poderá intimidar as malvadezas que retornam para infernizar a vida daqueles que querem apenas dignidade e garantias dos seus direitos preservados; dos que querem ter o direito de ir vir sem ser assaltado ou vítima de bala perdida, dos que precisam do acesso à educação e à saúde pública, dos que precisam de uma alimentação de qualidade...

Não é permitido que aqueles que foram confiados os preciosos votos utilizem do momento eletivo para ir de encontro ao que os inócuos eleitores do bem esperam: uma representação voltada para o coletivo, sem intolerâncias e divisões de classe. Existe mal que vem para o bem, pois na luta para sair de uma situação ruim sempre se aprende e descobre outras oportunidades de melhoras. Os erros servem para mostrar os caminhos dos acertos. O mal nunca vencerá o bem.

Por Gervásio Lima
Jornalista e historiador

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.