Destaque

Sebrae

Ages

14 de junho de 2017

Medica que negou atendimento a bebê diz que não se arrepende

A criança, que sofria de doença neurológica e recebia atendimento no sistema de home care, morreu enquanto aguardava o socorro.


A médica Haydée Marques da Silva, de 66 anos, afirmou que não se arrepende de ter recusado atendimento a Breno Rodrigues Duarte da Silva, de um ano e meio, na semana passada. Segundo ela, a classificação de risco do menino era baixa e por isso optou por chamar outra ambulância.

A criança, que sofria de doença neurológica e recebia atendimento no sistema de home care, morreu enquanto aguardava o socorro, depois de aspirar o próprio vômito. O advogado da família de Breno, Gilson Moreira, defende que a polícia indicie a médica por homicídio doloso, quando há intenção de morte. Haydée prestou depoimento por cerca de 5 horas.

A delegada Isabelle Conti, a médica afirmou que Breno não corria risco de vida. "Fui atender um bebê que não corria risco de vida, que tinha um profissional de saúde em casa (a técnica de enfermagem do home care). Quando há um código vermelho que fala sobre risco de morte, eu atendo, mesmo não sendo pediatra. A classificação de risco neste caso era baixa. Me foi passado pela técnica que era uma gastroenterite, com neuropatia. Não estou arrependida porque não fiz nada de errado. Estou triste e muito abalada pela criança ter morrido. Não acho que tenha sido responsabilidade minha a morte da criança", disse Haydée.

Enquanto deixava a delegacia, a médica foi hostilizada por pessoas que passavam pelo local e a chamaram de "assassina" e "maluca". "Primeiro se acusa e condena e depois se apura", reagiu a médica, que foi demitida da empresa Cuidar Emergências Médicas, onde trabalhava como socorrista. Ela não quis comentar outros casos em que foi acusada de negligência.

Segundo a delegada Isabelle Conti, a Polícia Civil continua investigando o crime culposo, quando não há intenção de matar. "Por enquanto, seguimos tratando como crime culposo. Porém ainda há muitas pessoas a serem ouvidas e provas a serem fabricadas para analisarmos a tipificação definitiva. É um caso delicado, que resultou na morte de uma criança de um ano, então deve ser tratado com muita cautela para que não haja injustiça", afirmou. De acordo com a delegada, Haydée chorou em alguns momentos do depoimento. Além de Haydée, os pais de Breno prestaram novo depoimento na DP. Nesta terça-feira, serão ouvidas outras testemunhas, como profissionais de saúde que tiveram alguma ligação com o caso.

O advogado da família de Breno, Gilson Moreira, refutou os argumentos de Haydée, de que Breno não era caso grave. "Ela tinha um alerta para a Penha e a Unimed abortou este atendimento para que a equipe prestasse socorro imediato ao Breno, então sabia da gravidade", justificou. "As razões que ela apresenta não têm fundamento. Ela deveria ter entrado no apartamento e encaminhado o menino para um hospital", completou.

De acordo com o advogado, a família deverá processar também a empresa Unimed-Rio e pedirá ao Conselho Regional de Medicina do Rio (Cremerj) o afastamento imediato da profissional.

Por Lucas Gayoso | Estadão Conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.