Destaque

26 de abril de 2017

Juro do cartão de crédito rotativo sobe para 490% ao ano em março, informa BC

Juro do cheque especial avançou para 328% ao ano no mês passado. 


Os juros cobrados pelos bancos em suas operações com cheque especial e cartão de crédito rotativo voltaram a subir em março, após apresentarem queda em fevereiro deste ano, informou nesta quarta-feira (26) o Banco Central.

No caso do cartão de crédito rotativo, a taxa passou de 487,8% ao ano em fevereiro para 490,3% ao ano em março deste ano. Com isso, atingiu o maior patamar desde janeiro (497,5% ao ano). A série histórica dessa modalidade de crédito foi revisada.

Já os juros do cheque especial, ainda de acordo com a autoridade monetária, avançaram de 327% ano em fevereiro para 328% ao ano em março, também o maior nível desde janeiro (328,3% ao ano).

Especialistas recomendam que essas modalidades de crédito (cartão e cheque especial) só devem ser utilizadas em momentos de emergência e por um prazo curto de tempo, devido ao custo proibitivo. No caso do cartão de crédito, a recomendação dos economistas é que os clientes bancários paguem toda a fatura no vencimento para não deixar saldo devedor.


Mudanças no cartão de crédito e competição bancária

O mês de março foi o último antes das mudanças nas regras do cartão de crédito - que começaram em abril deste ano. Pelas novas normas, o rotativo só poderá ser usado até o vencimento da fatura seguinte. Se na data do vencimento o cliente não tiver feito o pagamento total do valor da fatura, o restante terá que ser parcelado ou quitado.

Com isso, a expectativa do governo federal é de que os juros do cartão recuariam pela metade do patamar atual, ou seja, para cerca de 245% ao ano. Mesmo com essa queda, a taxa de juros cobrada pelos bancos o que ainda seria muito elevada pelos padrões internacionais.

O BC, que tem informado que busca estimular a competição entre os bancos para baixar os juros, informou recentemente que os quatro maiores conglomerados bancários - Itaú-Unibanco, Bradesco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal - detinham, no fim de 2016, 78,99% de todas as operações de crédito feitas por instituições financeiras no país e também 78,48% dos depósitos.

Juro bancário médio cai em março

Apesar do aumento dos juros do cartão de crédito e do cheque especial em março, os números do BC mostram que houve queda dos juros bancários médios tanto de pessoas físicas quanto de empresas no mês passado nas operações com recursos livres (que excluem crédito imobiliário, rural e do BNDES).

Em março, de acordo com a autoridade monetária, a taxa média de juros das operações com recursos livres para as pessoas físicas somou 72,7% ao ano, contra 73,5% ao ano em fevereiro. Trata-se do menor patamar desde dezembro do ano passado (72,4% ao ano). A taxa cobrada das empresas, por sua vez, recuou de 28,7% ao ano em fevereiro para 27,5% ao ano em março.

A queda dos juros bancários acontece em momento de recuo da Selic, a taxa básica de juros da economia, fixada pelo Banco Central, que influencia a chamada "taxa de captação" dos bancos, ou seja, quanto eles pagam pelos recursos. Desde outubro do ano passado, os juros básicos da economia recuaram de 14,25% para 11,25% ao ano, uma queda de três pontos percentuais.

Nesse mesmo período, porém, os juros bancários médios nas operações com pessoas físicas passou de 74,3% ao ano para 72,7% ao ano - um recuo de 1,6 ponto percentual. Com isso, os juros bancários cobrados das pessoas físicas recuaram metade do corte da taxa básica de juros promovido pelo Banco Central desde outubro do ano passado.

Taxa de inadimplência

Dados do Banco Central mostram que a taxa de inadimplência subiu em março deste ano. No mês passado, a taxa de inadimplência das pessoas físicas e jurídicas, nas operações com recursos livres (exclui crédito imobiliário, rural e do BNDES), subiu de 5,6% para 5,7%.

Considerando a inadimplência com recursos livres para pessoas físicas, houve estabilidade em 5,9%. No caso das operações com empresas, a taxa de inadimplência avançou de 5,2% em janeiro para 5,6% em março.

Por Alexandro Martello, G1, Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.