Destaque

26 de abril de 2017

Índios, com flechas, e PMs, com bombas, se enfrentam no Congresso

Pelo menos 2.000 manifestantes participaram de ato para reivindicar avanço nas políticas indigenistas; policiais usam gás para conter invasão do Legislativo.


Índios armados de lanças e flechas e policiais militares, com escudos, cassetetes e bombas de gás, entraram em confronto durante manifestação em frente ao Congresso Nacional por avanços na política para os indígenas, principalmente na demarcação de terras, que está suspensa no governo do presidente Michel Temer (PMDB).

Flechas foram atiradas contra o prédio do Legislativo e várias lanças foram apreendidas pelos policiais militares. O confronto começou, no entanto, quando, por volta das 15h30, os indígenas desceram correndo o gramado em frente ao Congresso e foram impedidos pela PM de acessarem a Câmara e o Senado.

Em maior número – eram cerca de 4.000, segundo os organizadores do protesto; 2.000, de acordo com a PM -, os indígenas conseguiram furar o bloqueio e começaram a pular dentro do espelho d’água. A PM usou bombas de gás lacrimogêneo. O cheiro chegou a ser sentido dentro do Legislativo. Caixões pretos de papelão foram lançados em direção ao prédio.

Após a confusão, os índios voltaram a ocupar o gramado em frente ao Congresso e fecharam as pistas nos dois sentidos da Esplanada dos Ministérios. O grupo deixou cerca de 200 caixões no local, segundo eles, para simbolizar o “genocídio dos povos indígenas”, em uma crítica à bancada ruralista no Congresso.


Os indígenas participam do Acampamento Terra Livre 2017, mobilização nacional para cobrar direitos e políticas públicas para os povos tradicionais. O protesto começou em frente ao Teatro Nacional, de onde os indígenas saíram em marcha em direção ao Congresso usando roupas típicas, levando objetos tradicionais de suas tribos e faixas como dizeres como “Não ao retrocesso dos direitos indígenas” e “Retire os madeireiros das terras indígenas”.


Reivindicações

As principais reivindicações da mobilização este ano são a retomada das demarcações de terras indígenas, o fortalecimento de órgãos de política indigenista como a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, e o combate ao avanço da mineração em áreas indígenas, principalmente na Região Norte.

“Estamos vivendo uma época no Brasil em que os direitos indígenas estão sendo fortemente atacados na forma de projetos de lei em andamento e medidas administrativas que dificultam regras para a demarcação de terras indígenas”, disse em nota o Greenpeace, entidade que participa, com outras organizações, da Semana Nacional de Mobilização Indígena, em Brasília.

Em janeiro, o governo Temer alterou o procedimento para demarcação de terras indígenas, que passará a ser decidido pelo Ministério da Justiça com base na recomendação de um Grupo Técnico Especializado (GTE). A alteração foi criticada por entidades de defesa dos indígenas que acreditam que a mudança enfraquece o poder da Funai na demarcação de terras.


Por Veja (Com Estadão Conteúdo, Agência Brasil e Reuters)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.