Destaque

9 de março de 2017

WhatsApp dá dicas para identificar mensagens duvidosas e fugir de spam

A boa notícia é que é possível escapar dessas armadilhas.


O WhatsApp é o aplicativo mais usado do Brasil desde 2015, sendo o mais baixado de todos os tempos na Google Play Store. Tamanha popularidade faz com que o mensageiro seja alvo recorrente de fraudes, que frequentemente usam mensagens falsas e spams para enganar os usuários.

A boa notícia é que é possível escapar dessas armadilhas. Para isso, basta seguir uma série de dicas que ajudam a identificar um conteúdo fraudulento. Veja abaixo as orientações do próprio WhatsApp para fugir do perigo de mensagens duvidosas e tentativas de golpe.

A primeira recomendação é prestar atenção a erros ortográficos e gramaticais. De fato, propagandas de empresas reais dificilmente terão falhas nos textos, uma vez que a redação é feita por profissionais especializados.

Outra característica suspeita é quando a mensagem pede para tocar em determinado link – um forte indício de vírus. Exigir que o usuário encaminhe a mensagem para outros é o típico spam, que pode estar relacionado com ação fraudulenta. Conteúdos que solicitam informações pessoais, como cartão de crédito, conta bancária, data de aniversário e senhas, geralmente, tratam-se de golpe.

O WhatsApp inclui entre as mensagens suspeitas aquelas que dizem que o uso do mensageiro passará a ser tarifado. A empresa afirma que o app é gratuito e sempre será, e, portanto, essa informação é falsa.


O que fazer ao receber uma mensagem suspeita?

Se a mensagem tiver sido enviada por um desconhecido, a orientação é denunciar o número como spam ao aplicativo. Isso bloqueará o contato imediatamente, além de ajudar no combate aos spammers.

Caso o conteúdo tenha sido recebida de um amigo, o primeiro passo é não clicar em nenhum link, não dar informações pessoais nem repassar o texto a terceiros. Apague imediatamente a mensagem e escreva para o seu contato informando que ela se trata de uma fraude.

Por RAQUEL FREIRE/TechTudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.