Destaque

10 de março de 2017

Ministério quer renovar liberação de vistos para entrada de turistas no Brasil

A ideia é conceder a isenção para turistas dessas nações por dois anos.


O ministro do Turismo, Marx Beltrão, disse hoje (9) que a pasta trabalha para obter a liberação dos vistos de entrada no Brasil para países como Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália. Isso repetiria medida que vigorou durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, no ano passado. A ideia é conceder a isenção para turistas dessas nações por dois anos, informou Beltrão, que visitou hoje (9) o Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. O ministério trabalha ainda para a implantação do visto eletrônico em outros países, como a China, que hoje é um dos maiores exportadores de turistas do mundo.

São países, segundo o ministro, que não oferecem nenhum tipo de risco imigratório e apresentam gasto per capita (por indivíduo) mais alto do que a média internacional. Estudo feito pela Organização Mundial do Turismo (OMT) mostra que há um aumento de 25% por ano de turistas quando se tem a política de isenção de vistos. “Então, se a gente fizer essa política, vamos ter no nosso país cerca de 200 mil a 250 mil turistas a mais por ano vindo dessas nações, gastando muito dinheiro aqui”, apostou. O ministro destacou que o Brasil atravessa um momento de recessão e a atração de mais turistas pode gerar empregos.

Beltrão estimou que, se a política de isenção de vistos for aprovada ainda no primeiro semestre, o Brasil ultrapassará a casa dos 7 milhões de turistas até o final deste ano. "Nós temos tudo para chegar a 12 milhões de turistas nos próximos quatro anos, se tudo aquilo que estamos querendo fazer for aprovado no Congresso Nacional”.

Incremento

O turismo nacional cresceu 2% no verão deste ano, movimentando R$ 100 bilhões, segundo o ministro. Já o número de turistas estrangeiros cresceu 11%. Com o fim do carnaval, o ministério vai se dedicar à preparação dos próximos projetos, entre eles o Verão da Amazônia e o São João.

Foto: Nodo Norte
Agência Brasil 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.