Destaque

28 de março de 2017

Confiança da construção cresce e atinge maior nível desde junho de 2015

Alta do indicador em março foi influenciada pelas perspectivas de curto prazo do empresariado.


Os empresários do setor de construção estão mais confiantes em março, segundo a Fundação Getulio Vargas. O índice subiu 0,7 ponto em março, alcançando 75,1 pontos, o maior nível desde junho de 2015.

A alta do indicador em março foi influenciada pelas perspectivas de curto prazo do empresariado. O Índice de Expectativas (IE-CST) cresceu 1,7 ponto, para 87,8 pontos – o maior desde setembro de 2014 (88,4 pontos). "Os dois quesitos que compõem este subíndice aumentaram, com destaque para o indicador que mede o otimismo com a situação dos negócios nos seis meses seguintes, que variou 2,2 pontos, na margem, para 90,1 pontos."

O Índice da Situação Atual (ISA-CST), também usado no cálculo do indicador de confiança, recuou pelo segundo mês seguido, ao variar 0,2 ponto, atingindo 62,8 pontos. A maior contribuição para a queda veio do indicador de percepção em relação à carteira de contratos, que caiu 0,6 ponto em relação ao mês anterior, para 61,5 pontos.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor, outro indicador divulgado por essa pesquisa, recuou 0,4 ponto percentual em março, alcançando 63%.

“A redução do pessimismo já se reflete no indicador de emprego da Sondagem da Construção: a disposição de demitir nos meses seguintes tem caído continuamente. Embora isso ainda não tenha se traduzido em intenção de contratar, pode representar uma desaceleração do ritmo de queda no emprego. No entanto, enquanto a Demanda Insuficiente continuar sendo o principal fator limitativo à melhoria dos negócios, as demissões continuarão a superar as admissões,” comentou Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção da FGV/IBRE.

Por G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.