Destaque

23 de março de 2017

Cientistas criam teste caseiro, rápido e barato para fertilidade masculina

Com a ajuda de um smartphone, um dispositivo anexo analisa amostras de sêmen; o custo total do produto é de US$ 4,45 (cerca de R$ 14).


Pesquisadores dos Estados Unidos desenvolveram um teste para fertilidade masculina que pode ser feito em casa e com a ajuda de um smartphone. O acessório conectado ao celular tem um custo de US$ 4,45 (cerca de R$ 14) e mostra o resultado em segundos, de acordo com artigo publicado pela revista "Science Translational Medicine" nesta quarta-feira (22).

Até agora, um teste básico para rastrear a fertilidade dos homens precisava ser feito em um hospital ou clínica, com a ajuda de técnicos para operar equipamentos de alto custo. Os resultados podem demorar alguns dias ou semanas.

O teste caseiro desenvolvido pelos especialistas do Brigham and Women's Hospital (BWH) e do Massachusetts General Hospital, em Boston, quantifica a concentração de espermatozoides e sua mobilidade.

"Queríamos uma solução para tornar os testes de infertilidade masculina tão simples e acessíveis quanto os testes de gravidez em casa", disse Hadi Shafiee, pesquisador do BWH. "Os homens têm que fornecer amostras de sêmen em quartos de hospital, uma situação em que eles, muitas vezes, experimentam estresse, constrangimento, pessimismo e decepção. Exames clínicos atuais são laboratoriais, demorados e subjetivos. Esse teste tem baixo custo, é altamente preciso e pode analisar um vídeo de uma amostra de sêmen não diluído em menos de cinco segundos", completou.


O grupo de pesquisadores usou dez voluntários sem formação para testar o novo acessório para celular e sua efetividade para estabelecer resultados. Foram analisadas 350 amostras, com uma precisão de 98% para detectar baixa concentração de espermatozoides e/ou baixos níveis de mobilidade.

Os homens são responsáveis por 40% dos casos de infertilidade, problema que atinge mais de 45 milhões de casais no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

Por G1


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.