Destaque

Sebrae

Ages

20 de março de 2017

Bahia perde 1,7 mil vagas formais em fevereiro

Desempenho do estado ficou na contramão do registrado pelo Brasil, que criou 35,6 mil postos com carteira no mesmo mês.


Na contramão da média nacional, a Bahia perdeu postos de trabalho formais em fevereiro. Enquanto o Brasil apresentou saldo positivo (ou seja, criação)  de 35.612 vagas em fevereiro, a Bahia registrou, no mesmo mês, saldo negativo (extinção) de 1.704 vagas com carteira assinada.

Os números foram apresentados nesta quinta-feira (16) pelo Ministério do Trabalho e fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho. O cadastro só mede o emprego e desemprego nas vagas formais, que são aquelas com carteira assinada e que garantem o acesso a benefícios trabalhistas como férias e 13º salário, entre outros.

Em termos de desempenho, a Bahia foi o 19º estado na geração de emprego em fevereiro. O primeiro lugar ficou para São Paulo, que criou 25.412 vagas com carteira. A última posição ficou com Pernambuco, que perdeu 16.342 postos. 

Na Bahia, em fevereiro, foram admitidos um total de 44.017 trabalhadores, enquanto outros 45.721 foram demitidos. Em termos relativos, a variação, frente a janeiro , foi negativa de 0.1%. Em 2017 (janeiro e fevereiro), o saldo de desligamentos e contratações está negativo em 1.992 ( 92.818 admissões contra 94.810 desligamentos), uma variação negativa de 0,12% em relação aos dois primeiros meses de 2016. No acumulado de 12 meses (março de 2017 a fevereiro de 2017), a Bahia registrou a extinção de 65.378 postos formais,  fruto de 577.402 contratações e 642.780 demissões, variação também negativa de -3,72% frente aos 12 meses anteriores.


Dos setores analisados pelo Caged, o que mais perdeu empregos formais em fevereiro na Bahia foi a Construção Civil (2.533), seguido pelo Comércio (1.263) e pela Industria Extrativa e Mineral (139). Criaram mais vagas que extinguiram o setores de Administração Pública (positivo em 747), Indústria de transformação ( 575), Agropecuária (499), Serviços (254), e Serviços Industriais de Utilidade Pública - SIUP (156). 

Agenda Positiva 
Em busca de uma agenda positiva na qual possa se apegar em momento em que tem seis ministros envolvidos na Lava Jato, o presidente Michel Temer anunciou nesta quinta-feira, 16, que a economia brasileira criou 35.612 novas vagas de emprego formal no mês de fevereiro. Esse foi o primeiro resultado positivo após 22 meses seguidos com queda do número de empregos formais - desde março de 2015. Para os meses de fevereiro, esse é o primeiro resultado positivo desde 2014, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). 

O número foi comemorado por Temer. "É preciso começar e o começo veio por essa notícia que estou dando a vocês." 

"Vocês sabem que a economia brasileira volta a crescer e os sinais desse fato são cada dia mais claros. Em fevereiro, por exemplo, o número de empregos formais de 35.612 vagas", disse Temer em uma entrevista coletiva convocada no fim da manhã para a divulgação dos dados.

Para o presidente da República, o número representa "o começo depois de 22 meses negativos". Ele destacou que a reação do mercado de trabalho dá possibilidade de vida digna aos mais de 35 mil brasileiros que retornaram ao mercado de trabalho formal.

A divulgação dos dados sobre o mercado de trabalho em fevereiro estava prevista originalmente para o dia 20 de março, mas acabou sendo antecipada por um pedido de última hora. Com informações da Agência Estado. 

Flávio Oliveira e agências/Rede Bahia 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Rota 324 não se responsabiliza pelos comentários aqui expostos.